WhatsApp

VEREADOR PABLO DANTAS

JUVENTUDE EM AÇÃO!

Tavares/PB

 

Ao lado do Bar de Kali, Rua Dr. José Henriques, Centro, Manaíra/PB. Contato: (83) 9.9948-3338

CONSULTORA MARTA ALVES

Telefone/WhatsApp: 

(83) 9 9869-0840

JÚNIOR DE MOCINHA

VICE-PREFEITO DE CARNAÍBA/PE

 

 

 

 
 

 

 

 

 
 
 
 

 

Último sobrevivente de tribo, índio vive solitário há 22 anos em floresta de Rondônia

No meio da mata no interior do estado de Rondônia, o último sobrevivente de uma tribo indígena resiste ao contato com a civilização do homem branco. Motivos para a decisão não faltam. Após ter os últimos membros da tribo mortos por fazendeiros em 1995, o “índio solitário” mantém tradições, costumes e sabedorias que desaparecem aos olhos incrédulos dos caras pálidas.

A primeira vez que foi visto pela Frente de Proteção Etnoambiental Guaporé (FPE Guaporé), sediada em Alta Floresta (RO), foi em junho em 1996. O achado ocorreu após informações de um grupo de madeireiros que apontavam a existência de um índio, uma cabana, armadilhas e um buraco que, posteriormente, serviria de apelido ao aldeado.

“Chegamos a ficar duas horas em frente a cabana para convencê-lo a sair, mas ele se armou dentro dela”, lembra o servidor da Fundação do Índio (Funai), Altair Algayer, também coordenador da FPE Guaporé.

Após confirmada a existência do sobrevivente da Terra Indígena (TI) Tanaru, a Funai se utilizou de dispositivos legais para a interdição da área. Assim, por meio da Portaria do Presidente da Funai nº 1040, de 16 de outubro de 2015, a área demarcada de 8.070 hectares teve sua interdição prolongada por mais 10 anos.

As primeiras interdições já haviam acontecido na década de 1990, quando houve a confirmação sobre um índio isolado.

Os indígenas da TI Tanaru são vítimas de eventos históricos na Amazônia desde 1980, onde a colonização desenfreada, a instalação de fazendas e a exploração ilegal de madeira em Rondônia, provocou sucessivos ataques aos povos indígenas isolados que viviam nessas regiões, resultando em expulsões de suas terras e mortes.

E foi em um último ataque de fazendeiros, no final de 1995, que o grupo da TI Tanaru, provavelmente já pequeno, segundo equipe local, se transformou em apenas uma pessoa. Os culpados jamais foram punidos.

A Funai, desde então, realizou 57 incursões de monitoramento do “indígena solitário” nos últimos 10 anos, além de 40 viagens para ações de vigilância e proteção da TI Tanaru.

As imagens que correram o mundo, mostrando o “índio do buraco”, foram obtidas por acaso, durante ações da FPE Guaporé no interior da TI Tanaru. A Funai afirma que, graças aos monitoramentos da área, há cinco anos não são registradas invasões de madeireiros, desmatamentos e presença de pessoas estranhas dentro dos limites da TI.

IVINET

CENTRAL: (83) 3450-1177 ou (Tavares) 83- 9 9618-8308, (Princesa Isabel) 9 9850-0074, (Manaíra) 9 9908-2110. Mais informações, clique na imagem.

LUIZ DA TELPA

VEREADOR 

TAVARES/PB

PREFEITURA DE CARNAÍBA/PE

ARTE MÍDIA

Comunicação Audiovisual -Tavares/PB. Fone: (83) 9 9869-8213. Hélio Mendes.

Designer e Assistência Técnica

Rua Manoel Prudente Nunes, nº 302, Centro-Juru/PB. Tefones: (83) 9.9816-1658 ou 9.9608-7857